PÓS-VIAGEM: UMA ODE À AMIZADE


Voltei. Cinco semanas passaram a correr. Já sabemos que "o que é bom acaba depressa" mas precisava de ser assim tão rápido? Desta vez a viagem em si ficou em segundo plano. Na verdade verdadinha estava nos céus porque tinha a minha Ana comigo. Juntas celebramos o meu aniversário numa ilha paradisiaca no Cambodja, comemoramos os seus gloriosos trinta anos numa terra mágica de Myanmar e ainda celebramos vinte anos de amizade. Uau, v-i-n-t-e. Muito mais que metade de toda a minha vida. 

Embora tivessemos crescido e evoluido como seres humanos, aquela essência, o viver a brincar, o rir de nós mesmas, o terminar a frase que a outra iniciou, estava igualzinho. Parece que depois de vinte anos continuamos as mesmas, mas um bocado mais responsáveis e com vontade ainda maior de sermos felizes. Os trinta estão a correr otimamente bem para nós! 

No ano passado vivi momentos de angústia, cheguei a chorar com saudades da Ana. Nunca tinhamos ficado tanto tempo sem nos vermos. Já passara mais de um ano que não trocavamos olhares cumplices, nem riamos juntas que nem umas perdidas. Como deixamos isto acontecer? Tudo bem que a Ana mudou-se há uns tempos para Amesterdão mas não há desculpas para esta distância traduzir-se em largos meses. 

Destino, coincidência ou karma, estavamos sintonizadas! Em conversas pela net, a Ana disse-me que iria passar o Natal e Passagem de ano na Nova Zelândia com o Anty, o namorado dela. Já que estava tão perto da Asia, iria dar um pulinho a Laos e Tailândia durante um mês. Seria um mês fulcral na sua vida pois iria viajar pela primeira vez sozinha, alinhar os chacras e meter as ideias organizadas quanto à sua vida profissional. Quando perguntei-lhe quando iria falou-me no mês de Fevereiro, quando euzinha, precisamente, já tinha pensado ir para a Asia, pois faltava-me visitar Myanmar, Cambodja e Chiang Mai (Tailândia). Já lá vão uns valentes cinco anos desde que tinha feito aquela viagem sozinha pela Asia de sete meses mas estes três sitios tinham-me faltado. E durante este tempo todo fiquei meio que a remoer. Conhecendo-me bem, já sabia que o Inverno iria me afectar negativamente e precisava de fugir nem que fosse só um mês. Aí fez-se o clique! 

"Hey Ana, não vais acreditar! Também estou a pensar visitar a Asia nessa altura. Por acaso, coincidia com o meu e o teu aniversário e este ano faz vinte anos que nos conhecemos." E, assim de repente, a pobre da Ana deixou os seus planos de viajar sozinha para viajar com moi. Só quando ela me enviou aquela mensagem a mostrar-me as datas dos voos é que acreditei mesmo que iriamos ficar um mês juntas, todos os dias, vinte e quatro sob vinte e quatro horas. Tinhamos - e ainda temos - tanto mas tanto assunto para falar, para contar à outra de tantos meses afastadas. 

Foi dificil dizer-lhe o derradeiro "até já", quando passamos um mês na companhia uma da outra, de uma forma tão positiva, tão linda, tão transcendente, tão mágica. É incrivel mas todos os momentos que passamos juntas foram repletos de boas energias, sorrisos de orelha a orelha. Parece que aquele ano que tivemos separadas desaparecera para dar lugar ao Presente, o agora. 

Pode soar brega, mas nem quero saber! A minha amiga Ana é a melhor amiga do Mundo! Tenho imensa sorte de ter-te ao meu lado desde os anos noventa. Juntas vivemos momentos incriveis e o melhor de tudo é que esses momentos têm uma continuidade no nosso Presente. Prometemos que jamais iriamos ficar outro ano sem nos vermos. Não porque tem de ser, mas sim pelo bem da nossa felicidade. 

Agora sim, preparem-se, vai haver posts a torto e a direito da minha viagem alucinante por templos perdidos, ruinas repletas de história, praias paradisiacas. As histórias vão ser contadas aqui no Viver a Viajar e as dicas de viagem vão constar no Shanti Free Bird, em inglês, para que o Mundo tenha também acesso a esta informação. Sintam-se à vontade para perguntar o que quiserem, sugestões de posts, enfim, tudo o que querem saber. 

4 comments:

  1. Que texto LINDO, Marta! É tão bom ver amizades assim! <3

    Jiji

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada minha querida Jiji :) beijoca*

      Delete
  2. Que bonito Marta :) É muito significativo que o primeiro texto que dedicas a esta tua aventura seja precisamente à pessoa com quem a partilhaste. Eu não adoro viajar sozinha, apesar de compreender as vantagens gosto de ter companhia - já passei muuuuitas horas na vida a viajar sozinha porque tinha de ser -, pelo que sei da importância que é haver compatibilidade em viagem. É que por mais amigos que sejamos, por vezes não resulta. Sei que o teu texto não era sobre isto, mas acaba por ser (também). Tem de haver uma grande sintonia, mas também tem de ser natural. Até ao momento só há uma pessoa com quem goste de viajar e nunca lhe dediquei uma ode, haha. Mas a pessoa bem merecia. E amizades dessas - em que ficamos meses e meses sem nos vermos e quando nos reencontramos parece que foi ontem - tenho poucas, mas guardo-as todas muito bem. Texto fantástico, o teu :)
    Agora conta-nos tudo!

    Aonde (não) estou

    ReplyDelete
  3. Que maravilhosas palavras querida. É maravilhoso sentir e viver o verdadeiro significado da Amizade!
    Beijinhos

    ReplyDelete

Grata por comentares, adoro saber o que passa pela tua mente.