DIÁRIO A BORDO | HAMPI E O SEU MISTO DE VERDEJANTES COM RUÍNAS



Mysore, India, 24 de Outubro de 2011

As expectativas quanto a Hampi eram poucas ou nenhumas, nunca li sobre o local mas segui a minha intuição e resolvi partir para o local.

Quando estava a chegar uma israelita meteu conversa comigo ainda no autocarro e pronto fiquei com ela mais o casal amigo dela, também de Israel, os próximos 3 dias em Hampi. Ainda bem porque o rapaz era super orientado e consegui fazer bastante, só para não falar que me acolheram super bem no seu grupo :) na verdade Hampi estava cheisssimo de israelitas, a malta quando acordava e ouvia a sua língua deveriam pensar: "mas em que país estou agora?" Sinceramente deve ser um pouco desconfortável mas não deixa de ser positivo especialmente para mim que estou a viajar sozinha e do nada conheci a Marta, portuguesa, no money exchange hehe Por isso ainda falei em português 2 dias com ela antes de partir para Calcutá para um curso intensivo de yoga.
Pois é, já reparei que muitas pessoas de outros países viajam até à Índia por motivos de: yoga, espiritualismo, curas naturais, massagem ayurduvedica, porque este é realmente o local de destaque para aprender sobre todos estes assuntos. Por agora o que estou mais entusiasmada é sem duvida o hinduísmo e todos os deuses e deusas envolventes. É como várias historias do avozinho mas para adultos em que Shiva é o Deus destruidor e tenta matar Vishnu. Além de interessante, também gosto bastante dos desenhos com as suas representações, desde que estou cá já comprei dezenas de postais, livros e autocolantes dos deuses :P Voltei ao meu tempo de infância e depois queixo-me que a mochila está muito pesada... pufff!




Então onde ia? Ah! Hampi. Foi excepcional, não consigo exprimir por palavras tudo o que observei, apenas poderei aconselhar vivamente VÃO A HAMPI! Daqueles sítios esquecidos pelo ser humano que só apetece é ficar por lá a vida inteira. À conversa com outros viajantes conclui que quem pensa ficar 3 dias, acaba por ficar 2 semanas para terem uma ideia. Só sei que andamos bastante, escalamos montanhas, estávamos sempre estafados no final da noite. Ao escalarmos víamos a vista em diferentes níveis até chegarmos ao topo e ficarmos de boca aberta. Na primeira vez, a Marta propôs meditarmos 10 minutos no topo da montanha e foi deveras reparador, sentir a minha respiração pura e limpa e depois abrir os olhos e ver aquela paisagem com ruínas de antes de Cristo com campos de arroz, templos antigos, palmeiras.

Numa das vezes perdemo-nos e acabamos numa plantação de bananeiras onde o solo estava todo queimado, a minha imaginação fértil já estava a pensar que iríamos ficar ali até a noite e que depois iriam fazer bruxedo connosco :) depois de andarmos às voltas, lá conseguimos encontrar uma forma de sair daquele labirinto medonho.



No segundo dia senti-me uma verdadeira rainha. Decidimos alugar uma rickshaw (os mini transportes muito utilizados na Índia, é uma mota mas com lugares para pessoas, sei que no Norte é mesmo bicicleta sem motor!!!) e o seu motorista para a tarde inteira porque ele poderia nos levar aos locais que ainda não tínhamos visitado. Assim foi, primeiro fomos ao lago onde tiramos a roupa e upa acabamos por mergulhar de roupa interior, num espaço de 5 minutos tínhamos uma legião de indianos a observarem-nos e os vendedores a perguntar constantemente se queríamos comprar cerveja, água ou sumos. Ficamos assim sem privacidade nenhuma mas até conseguimos gerir a coisa ao falarmos com eles para nos deixarem em paz, em tom calminho mas a apetecer gritar algo do género "DESAMPAREM A LOJA SEUS PERVERSOS!" 
É verdade que não existem indianas por ai a tomar banho num lago com a sua lingerie e que deve ser alteeeee cena para estes indianos mas tem de haver respeito e eles não compreendem muito bem essas barreiras. 
Em Goa sofri muito com isso, especialmente na noite em que fui buscar comida, todos os indianos paravam a olhar para mim, ou perguntavam se queria boleia ou se queria ir com eles a um sitio muito giro e tal... Senti-me tão mal, que quando um falou comigo a perguntar de onde era (a pergunta mestre de iniciação de conversas na Índia) gritei: CALA-TEEEEEEEEEE!!! Estava passada já, a paciência tem limites. Mas aqui em Mysore já não é assim, podem olhar para mim mas não dizem nada ou sorriem ou pedem para tirar fotografias com eles ou sozinha (os turistas indianos).



Bem, depois do lago, o nosso motorista privado levou-nos a alguns templos, um deles bastante interessante e como a minha amiga israelita está a estudar cultura indiana na universidade pôde nos dar luzinhas sobre os deuses e o que significava isto e aquilo, portanto tínhamos uma guia privada :) No final do dia corremos que nem uns doidos até ao templo dos macacos, mais uma montanha feita de rocha para apanharmos o por-do-sol mas já fomos tarde. Tínhamos de subir cerca de 400 degraus, mas não eram degraus desses dos prédios, eram degraus em ruínas o que dá a sensação de que estão descolados e que vamos os pisar e damos uma grande queda. Lá em cima já não vimos o por do sol mas tivemos o prazer de apreciar mais uma vista deliciosa com macacos por todo o lado. Foi um momento inspirador em que gostamos sempre de partilhar com o namorado... Partilhei com 3 israelitas já não é nada mau! A Marta já tinha ido para Calcutá.




A pousada que ficamos super bem escolhida, pagamos 2.20€ por noite e tínhamos uma vista fantástica, camas exteriores que baloiçavam, área chill out com colchões e almofadas. Os donos eram nepaleses (o restaurante) e indianos (a pousada). A comida super boa com preços acessíveis e a simpatia deles era por demais!!

Agora é tempo de me mentalizar de que daqui a 2 dias estarei a embarcar num comboio do Sul da Índia até ao Norte, ou seja, 2 dias num comboio até New Deli!!! Mal posso esperar porque ai vou conhecer Rishikesh, um local muito agradável por sinal. Vou viajar com o Will, vamos à feira do camelo e depois ao casamento indiano e para Varanasi. É tão bom ter companhia, mas não como a que tenho tido em que passados uns dias ADEUS... aquela companhia de 2, 3 semanas... Mal posso esperar! E a ver vamos se sobrevivo fechada num comboio tanto tempo, o que vale são realmente as caminhas, o meu portátil, o meu livro para crianças sobre o hinduísmo e o meu diário. E claro, os indianos sempre muito curiosos a conversarem comigo :)
____________

NOTA: Hoje é a tua última oportunidade de participares no Sorteio do livro Daqui Ali - De Portugal a África do Sul de Bicicleta. Boa sorte!

9 comments:

  1. É tão bom ver estas fotos. Dá vontade de estar lá e conhecer também!! :D

    Boa semana**
    _________________________
    All The way is an adventure
    Jess & Rose Blog | Instagram | Youtube

    ReplyDelete
    Replies
    1. E mesmo assim as fotos não fazem jus à realidade. Gostaria muito de voltar!

      Delete
  2. Fiquei cá com uma vontade de conhecer Hampi!!!!!!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. É um dos meus spots favoritos da India :D

      Delete
  3. Olá Marta, descobri o teu blog há alguns dias e desde já os meus parabéns, estou a gostar muito de o ler :)

    Tenho reparado que os posts de viajens têm sido repescados de anos já passados... E, só por curiosidade, já não andas actualmente a viajar? :P

    Cumprimentos e Namaste! Continua com o bom trabalho!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Bom dia pessoa anónima =)
      Há uns 4 meses que não viajo para fora do país mas no final do mês vou dar uma escapadela de 5 dias... já toda a gente pensava que não estava bem lol

      Depois de 5 anos a viajar non stop decidi parar um bocado e Lisboa foi o local escolhido (nasci no Algarve). Tem sido uma viagem do caraças por aqui, tens tanto para descobrir nesta cidade... Entretanto estou a estudar e não posso faltar duas semanas, infelizmente hehe

      Assim, os meus posts têm sido mais sobre Lisboa, os meus passeios por Portugal e os tais locais rebuscados que falas, que não foram falados aqui no blog mas que merecem destaque.

      Ah e claro, de Agosto a Outubro vou fazer a mega viagem do ano, lê o post de hoje ;)

      Beijinhos e volta sempre anonima/o =)

      Delete
  4. Para mim, o que mais me fascina na Índia é mesmo a cultura como um todo. Não quero ir lá fazer nenhum retiro ou encontrar o meu lado mais espiritual... Quero conhecer as pessoas, as tradições, a gastronomia. Adorei Goa, e sei que é bem diferente do resto da Índia, por isso preciso de voltar ao país. Esta tua experiência deixa-me com vontade ir já a correr para lá, mas acho que ainda vou ter de esperar um bocadinho :) Aguardo as próximas aventuras!

    Mundo Indefinido

    ReplyDelete
    Replies
    1. Temos mesmo de sentar num parque para me contares como foi Goa =) falar sobre a India deve ser dos meus temas de conversa favoritos porque consigo passar literalmente horas a contar historias dessa cultura que falas. Hmmm falar nisso já ia à India hahaha

      Delete
  5. és uma mulher de coragem, sim senhora, as imagens são muito bonitas mas confesso que não sei se teria coragem de viajar até lá :) beijinho
    http://anamakeawish.blogspot.pt

    ReplyDelete

Grata por comentares, adoro saber o que passa pela tua mente.