DEZ DIAS EM SILÊNCIO NO TUSHITA RETREAT CENTER

Aposto que muitos de vocês ao lerem o título deste post pensaram automaticamente no filme e/ou livro "Comer Orar Amar" em que Liz resolve passar uma temporada num templo e durante uns dias esteve em silêncio. Adivinhei? :D

Já que estamos na onda do Diário a Bordo na Índia resolvi partilhar convosco dez dias inesquecíveis passados na zona de Dharamsala onde se encontra exilado o emblemático Dalai Lama. Foram dias que fortaleceram e nutriram a mente e o coração, que reflecti bastante sobre a minha posição neste mundo, que me questionaram vezes sem conta e que me arrancaram sorrisos, muitos sorrisos... tudo isto sem dizer uma única palavra, sem comunicar verbalmente.
Quem me conhece sabe que sou muito faladora, saio ao Toine Zé, meu querido pai, e sinceramente, estava na incógnita se iria conseguir ficar em silêncio tantos dias, se dois dias sem falar já seriam um martírio. Surpresa das surpresas fui até ao fim, sem pronunciar uma única palavra. 

Vamos nos situar?
Esta era a segunda vez, na mesma viagem, que estava na Índia. Depois de 4 semanas em Melbourne na Austrália percebi que tinha de tomar uma decisão e não queria ainda voltar para Portugal. Muitos viajantes falaram-me maravilhas do Nepal e já que estava ali tão perto porque não dar uma vista de olhos? Abri o meu passaporte, saltou o visto da Índia e percebi que ainda tinha um mês de visto no país! A sério? Foi instintivo, fui até ao site do Air Asia e comprei um bilhete de avião de Melbourne para New Delhi. Estava mesmo a voltar 3 meses depois ao país dos contrastes, das cores, dos cheiros. Não cabia em felicidade.

Desta vez fui para o Norte da Índia, para o estado de Himachal Pradesh, mais concretamente para Dharamsala, onde tive o prazer de conhecer o Dalai Lama, e sim ele é mesmo simpático e divertido ao vivo :)
Devia estar feliz só que havia algo de estranho em mim. De repente parecia que a minha viagem sozinha, que já ia quase 6 meses, perdeu o sentido. Precisava de um abanão ou até mesmo de um desafio. Mais uma vez não procurei nada, esperei até que o Universo me desse umas luzinhas. E assim foi. Enquanto jantava com duas viajantes uma da Holanda e outra dos EUA, a holandesa partilhou que estava em pulgas porque dali a dois dias iria entrar num retiro espiritual. Perguntei mil coisas sobre este retiro e cada vez que ela me respondia ficava mais envolvida e entusiasmada.
Resumidamente, o retiro consistia em: 10 dias de silêncio, num Centro de Meditação com ensinamentos do Budismo (Dharma), com muitas horas de meditação e sem qualquer electrónico.
Comecei a fazer contas à vida e acreditam que o dinheiro que estava a gastar na Índia em alojamento e comida diariamente era o total dos 10 dias no retiro? Quando as respostas caminham na mesma direcção quer dizer que tens de dar uma oportunidade. Vamos a isto!


Tushita é um centro para o estudo e prática do Budismo com base na Tradição Tibetana Mahayana. No centro Tushita encontras cursos como "Introdução ao Budismo", outros cursos mais específicos e ainda tens a oportunidade de fazer o teu próprio retiro, a nível individual.
Fica localizado em Mcleod Ganj, perto de Dharmasala no estado de Himachal Pradesh. Em plena floresta, o lugar é encantador, mágico, sentes mesmo as boas vibrações à tua volta.

O nosso programa diário:
6 am//Acordar
6.45 am to 7.30 am//Meditação Mindfulness 
7.30 am//Pequeno almoço
9 am to 11 am//Ensinamento [com um monge budista]
11.15 am to 12 pm//Stretching 
12 pm to 2 pm//Almoço & Karma Yoga Jobs [tarefas domesticas e tempo livre]
2 pm to 3 pm//Grupos de discussão [o monge dava-nos 4 ou 5 questões para discutirmos em grupo. Os 10 últimos minutos eram destinados para... rir. No meio do silencio o que mais nos fazia falta era rir]
3.30 pm to 5 pm//Ensinamento
5.30 pm to 6.15 pm//Meditação Guiada
6.15 pm//Jantar
7.30 pm//Meditação da Noite




Hoje em dia quando penso o que me aconteceu durante esses 10 dias tenho vontade de chorar de alegria. Sem dúvida que este retiro está no topo da lista das 5 melhores experiências da minha vida! É claro que sabia que seria um enorme desafio já que não consigo estar calada mais de dois minutos, mas conectei-me com as restantes 80 pessoas de uma forma tão natural e intensa. Imaginem o-i-t-e-n-t-a pessoas que não se conhecem de lado nenhum a partilharem o mesmo sítio, o mesmo quarto, a fazer refeições ao mesmo tempo sem palavras. 
O mais incrível é que comunicávamos muito bem, à nossa maneira, e entendiamo-nos! Penso que nunca troquei tantos sorrisos :)

Já perceberam o meu entusiasmo? Mas não quero contar-vos cada detalhe. Aliás não é esse o objectivo deste blog, quero partilhar convosco as minhas vivências em viagem mas quero também que o experienciem à vossa maneira, ao vosso tempo.
Mais uma coisa: O Budismo é uma religião com uma filosofia que faz-te pensar na tua vida e todos os seres (humanos, plantas, animais) que vivem à tua volta. É uma bonita mensagem e estilo de vida inspirador. Não tens de ser budista para participar no curso :) 

"Real Happiness begins when you start to cherish others" 
- Lama Zopa Rinpoche

17 comments:

  1. Uau! Tens de me contar mais sobre isso.
    Quando tinha a minha veia espiritual acordada, cheguei a fazer um de apenas dois dias. Mas nem toda a gente estava com a mesma energia e isso incomodou a minha energia.
    É brutal a energia que se sente em lugares assim. ;)
    Obrigada por mais esta partilha.

    Até breve
    beijinho *LucieLu

    ReplyDelete
    Replies
    1. Conto sim Lu, sabes que por mim ficava o dia inteiro a falar das minhas viagens (até das espirituais!)
      Tenho conhecimento de um bom sítio na Ericeira, se quiseres passo-te o nome ^_^

      Delete
  2. É fantástico quando encontramos lugares assim, com uma energia bem interessante! :)
    Obrigada pela partilha!

    A Marca da Marta

    ReplyDelete
    Replies
    1. Uma energia sem igual, unica, incomparável.
      Bom fim de semana Marta!

      Delete
  3. Adivinhaste! Quero tanto saber mais sobre essa tua viagem à Índia, pois sabes como estou ansiosa por ir lá. E tens de me falar sobre esses lugares e recomendar-me alguns por estas bandas :) Beijinho

    thebrunettetofu.blogspot.pt

    ReplyDelete
    Replies
    1. Claro que sim! Mas quando isso acontecer leva um caderno grosso e umas quantas canetas para anotares tudinho =D
      Espero que seja em breve Raquel. Beijinhos**

      Delete
  4. Fiz o ano passado no Nepal, ainda choro de alegria de me lembrar. Foi um power tremendo que ainda hoje sinto. Estou me a organizar para fazer outro em Outubro, no mesmo centro vipassana mas no sul de espanha!!!!! Super exciteeed. Tou a adorar o teu blog, cada vez mais!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Lembro me de ler o post que partilhaste sobre essa experiência e revi me muito nas tuas palavras.
      Mas caraças vipassana é outro nivel. Participei deste retiro mesmo porque não estava preparada para passar tanto tempo a meditar. Aqui meditavas sim mas era executável e tinhas o ensinamento então era mais fácil. Mas hoje em dia se me preparasse psicologicamente durante uma semana era capaz de experimentar vipassana ( sem desistir a meio lol)
      Depois conta nos tudinho desse retiro em Outubro boa?

      Awww obrigada Ana, vindo de ti, viajante que tenho admiração, são palavras de enorme conforto para o coração =)

      Delete
  5. Que experiência...não consigo imaginar - não tanto pelo ficar calada, isso acho que conseguia, mas sim pela dose de meditação diária. Levo a vida sempre tão a correr que parece estranho...mas bom, se calhar é mesmo o que me fazia falta!

    Jiji

    ReplyDelete
    Replies
    1. Hehe claro que conseguias! Nos primeiros dias realmente é dificil e passas quase a meditação inteira a pensar no que vais fazer no teu tempo livre, os temas de debate, as saudades do bacalhau à bras lol mas depois disso consegues mesmo entrar dentro da meditação em si, já é tão natural, tão simples.
      Também depende muito do facilitador. O meu era um rapaz da Suécia loirinho de olhos azuis com voz mais doce que alguma vez ouvi. Cheguei a ter um crush nele e tudo =P

      Resumindo, é experimentar. Se não conseguisses tinhas bom remedio: deitavas e dormias uma sesta ;)

      Delete
  6. Deve ter sido um experiência e pêras, daquelas de encher a alma!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Completamente! Saí de lá uma nova Marta, pronta para enfrentar duas semanas de hiking pelas montanhas do Nepal =)

      Delete
  7. Meu Deus deve ter sido uma experiência ótima!

    Beijinhos
    That GirlFACEBOOK PAGEINSTAGRAMTWITTER

    ReplyDelete
    Replies
    1. Foi mesmo Melanie. Sabes, repetia, sem pensar duas vezes!

      Delete
  8. Por acaso, o livro "Comer, orar e amar" foi mesmo a primeira coisa que me veio à cabeça assim que li o título. Gostava de ter uma experiência dessas, mas não sei se seria capaz de ter um ritmo de meditação tão intenso, o dia todo, vários dias seguidos.
    Acho fantástico teres conhecido o Dalai Lama :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. É como à Joana lá em cima Inês, os primeiros dias praticamente não meditas mas ao terceiro, quarto dia entras no ritmo de tal forma que te envolves e deixas te levar. Houve uma vez em que senti calafrios e algo dentro do meu corpo foi expelido e depois disso senti me imensamente leve e sempre a sorrir.
      O Dalai Lama é um senhor amoroso, o avozinho que toda gente gostaria de ter:D

      Delete
  9. Só para deixar escrito que ando deliciada a ler o teu blogue. obrigada por todas as partilhas. Beijinhos. :)

    ReplyDelete

Grata por comentares, adoro saber o que passa pela tua mente.