VISITA À CASA-ESTÚDIO CARLOS RELVAS


Durante o Curso de Fotografia, tínhamos uma vez por semana, aula de História da Fotografia com, literalmente, uma enciclopédia humana. Na primeira aula o professor falou-nos do Carlos Relvas, um marco importantissimo na História da Fotografia tanto nacional como internacional, desde o século XIX até aos dias de hoje.
Mas o mais impressionante foi visualizar a obra arquitectónica que este senhor nos deixou como património cultural, os meus olhos nem queriam acreditar e disse para mim mesma naquele instante: "Tenho de ir lá."
O professor convidou-nos para uma visita de estudo até à Casa-Estúdio do Relvas, mas como já era no final do curso não podíamos faltar a um dia de aulas, com matéria para dar e portfólios para elaborar. Assim, a turma uniu-se e lá fomos nós, dois dias depois do curso terminar. Até rimou! Influências das quadras dos Santos Populares?

Antes de mais vou-vos contar um pouco da vida de Carlos Relvas. Nascido em 1838 no Ribatejo, cedo mostrou a sua ligação ao Desporto, nomeadamente à equitação. Era considerado o homem dos sete ofícios: lavrador, fotógrafo, criador de cavalos e touros, cavaleiro, agricultor, político, produtor de azeite, mel e vinho. 

Mas foi na fotografia que trabalhou o seu lado mais extravagante e ecléctico, na qual inventou técnicas e ferramentas para conseguir as fotografias como queria. Naquela época os tempos de exposição eram muito lentos, demorando de 3 a 5 minutos a tirar a fotografia, mas Relvas, com a sua personalidade criativa e inventiva, conseguia resultados maravilhosos que lhe valeram inúmeros prémios, como a medalha de prata da Sociedade Fotográfica em 1875 ou a medalha de ouro na Exposição da União Central das Artes Decorativas de Paris em 1889. 

No dia 23 de Janeiro de 1894 morre na sua Casa-Estúdio, onde estaria a morar, através de uma septicemia contraída após um acidente de cavalo nas ruas da Golegã. Perdemos uma grande personalidade e fotógrafo, mas o trabalho desenvolvido ao longo da sua vida ainda está bem presente, como é o caso da sua Casa-Estúdio.




A Casa-Estúdio Carlos Relvas nasce em Golegã, no ano de 1876, através da paixão desmedida que Relvas sentia pela fotografia. Esta paixão era tão intensa que um simples estúdio não era suficiente para fazer os seus experimentos fotográficos. Foram precisos quatro anos de construção e trinta toneladas de ferro! 

Rodeada de um jardim frondoso, num enquadramento paradisíaco e pitoresco, esta casa transformou-se num Museu no dia 20 de Novembro de 2007. Fica situada mesmo em frente à antiga moradia de Carlos Relvas, quando a sua primeira esposa Margarida Mendes de Azevedo, ainda era viva. Hoje em dia essa moradia é nada mais nada menos que a Câmara de Golegã. 

"O edifício revelou-se um projecto arrojado e cuidadosamente concebido, pioneiro de uma arquitectura de transição que fundia admiravelmente a arte e a tecnologia em pedra, estuque, ferro e vidro (...) Com uma estrutura em ferro, a casa de dois pisos apresentava-se, à imagem do que acontece hoje, decorada de acordo com as tendências românticas da época, que lhe conferem uma certa monumentalidade. À vista, o edifício parece ter tomado como modelo uma igreja cristã, com as suas três naves e o transepto ao fundo, resultando da conjugação entre o vidro e o ferro, e da transparência e elegância da arquitectura, um efeito religioso, quase mágico." (Fonte)






Infelizmente não são permitidas fotografias ou vídeo no interior da casa, mas garanto-vos que é linda, muito bem decorada e a restauração foi feita com primor. Deixo-vos então com uma breve descrição do que vi. 

Era no piso de baixo que ficava situado o Laboratório que na altura eram trabalhados os negativos em chapa metálica, dois quartos que actualmente são utilizados para a visualização de um vídeo sobre a vida de Carlos Relvas e exposição de fotografias tiradas pelo próprio e dos desenhos da arquitectura do estúdio - já deu para perceber que o Relvas era metódico e muito organizado, guardava tudo o que era documentação. 
A sala do fundo está deliciosamente decorada com fotografias, livros e objectos antigos, o chão é o original. Daqui subimos para o piso de cima através de umas escadas saídas de um conto de fadas, feitas com madeira oriunda da Amazónia para não fazerem muito barulho (!!) Oh Relvas, eras pouco rico, amigo! :) 


No piso de cima era onde a acção e magia aconteciam, onde os modelos eram maquilhados e os cantinhos eram transformados em autênticos cenários, com a ajuda de móveis e objectos únicos da época. 
Ninguém era discriminado, ou posto de lado, Relvas fotografou neste local desde membros da aristocracia a mendigos que encontrava na rua. 
Este homem era de tal forma perfecionista que imaginou todo um piso feito de vidros e ferro que resultou num sistema de vidraça e cortinas que lhe permitia controlar a entrada de luz.
No final deste piso amplo e aberto, encontra-se o seu escritório, ainda com a escrivaninha, cadeira e sofá originais. Daqui podemos optar por descer pela escadaria da esquerda ou da direita, que vão dar directamente ao jardim. 

Quando terminamos a visita - e quando começamos, para comprar os bilhetes - temos acesso a uma loja com os trabalhos de Relvas, revistas e livros para consulta gratuita e ainda uma colecção de câmaras analógicas antigas, cedidas pela população. 

Informações úteis: 
- Golegã fica a cerca de 100 kms de Lisboa, nós fomos pela autoestrada de carro e demorámos um pouco mais de uma hora a chegar; 
- O bilhete de entrada custa 3.60€ e apenas há desconto para menores de 25 anos, maiores de 65 anos, crianças e grupos com mais de vinte elementos;
- É proíbido fotografar e filmar no interior da casa;
- Hórario: Terça-Feira a Domingo 10.30h-13h e 14h-18h (Último turno de visitas: 16h-17h). ATENÇÃO: à hora do almoço fecha, por isso organizem-se de forma a chegar de manhã ou à tarde;
- Recomendo que telefonem um dia antes para o telefone 249 979 120, para marcarem a visita. Assim também poderão ter acesso à Casa-Estúdio através de uma visita guiada e animação audiovisual da vida e obra de Carlos Relvas;
- Depois desta visita, sugiro um passeio por Golegã, é uma terra bonita, de gentes simpáticas. Há cafés e restaurantes de qualidade, perto da Igreja :) 

Vale a pena dizer que valeu muito a pena? Não percam a oportunidade de conhecer este sítio mágico! 
Obrigada turminha pela manhã tão produtiva! 

7 comments:

  1. Não conhecia a existência desse senhor nem dessa casa... E é tão bonita! Quando for à Golegã (já há uns tempos que quero ir à feira, especialmente para ver os cavalos) tenho de dar um saltinho a esse espaço, que parece mesmo encantador.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Nem eu, valha-me o curso de fotografia :) também gostaria de voltar para visitar a feira, dizem que é uma das melhores do país!

      Delete
  2. opaaaaa, que fotos fantásticas :) eu adorava ir a um curso de fotografia!
    Beijinhos,
    O meu reino da noite ~ facebook ~ bloglovin'

    ReplyDelete
  3. Conheço, mas só do lado de fora. Infelizmente quando lá estive não pude ir visitar o interior, mas já me contaram que o uma parte do estúdio têm uma luz natural espectacular!

    ReplyDelete
  4. Não conhecia, obrigado pela partilha. Abraço e boas viagens.

    ReplyDelete
  5. Olá!
    Uau que postagem maravilhosa *-* A Casa-Estúdio é linda e suas fotos ficaram incríveis :D Arrasou! O seu blog é uma gracinha *-* Adorei! Já estou seguindo e voltarei mais vezes! Espero que visite o meu e se puder seguir, agradeço!
    Beijos, Garota Vermelha
    www.livrosdagarotavermelha.com.br

    ReplyDelete

Grata por comentares, adoro saber o que passa pela tua mente.