HISTÓRIAS MEMORÁVEIS À BOLEIA | A MOCHILA PERDIDA

[La Esperanza Camping, Tulum, México]

Eu e o Bruno estávamos a visitar Tulum, estado de Quintana Roo, no México, extasiados de felicidade porque era a nossa primeira grande viagem juntos. O nosso alojamento consistia num camping dentro da praia com o mar caribe e aquela areia branca e fina a acompanhar-nos.

Era hora de partir para outro destino e por isso organizamos a mochila maior, metemos tudo na mochila pequena e apanhámos boleia para o centro da cidade para ir ao supermercado. Conseguimos uma boleia de uma pick up e como já não restavam lugares lá dentro fomos na caixa mesmo. Pelo caminho íamos maravilhados a observar as nuvens e as árvores verdinhas, a sentir o vento na casa, a cheirar a maresia.

Até que "acordámos" com o condutor a avisar que tínhamos chegado. Saltámos da pick up, dissemos um Muchas Gracias ao mesmo tempo com um grande sorriso.  Demorou dois segundos que olhasse para o Bruno e percebi que faltava algo. De repente, questionei "Onde está a mochila?" A reacção do Bruno foi abrir os olhos ao máximo e desatar a correr em direcção à pick up. Mas já era tarde demais, estávamos bem lixados!

GANHEI O VERSATILE BLOGGER AWARD + 7 FACTOS SOBRE MIM


Ena, ena! É com grande orgulho que partilho convosco que ganhei um prémio da blogosfera, o Versatile Blogger Award :) O meu agradecimento à querida Sónia do Lovely Lisbonner que gentilmente ofereceu-me este prémio! 
Quando perguntam-me sobre factores positivos de ter um blog a primeira coisa que vem à cabeça são as amizades que fazemos por aqui. Sinto que pertenço a uma comunidade de entre-ajuda, de sorrisos, de amor, de sinceridade. Conseguimos transportar os nossos blogs para o mundo offline e os nossos encontros em Lisboa são sempre tão produtivos e inspiradores! 
Terminou o meu momento lamecha, vamos lá aos prémios :D

CHOQUE CULTURAL: NINGUÉM ESTÁ IMUNE


O choque cultural é um acontecimento inevitável quando viajamos para outro país onde os hábitos, costumes, princípios e valores funcionam de uma forma completamente diferente do nosso.  
A primeira vez que o senti na pele tinha 24 anos, tinha chegado aos EUA para viver e trabalhar durante um ano. Tinha poucas expectativas mas estava optimista porque a cultura americana é igualmente ocidental e por isso não deveria ser assim tão diferente de Portugal. Enganei-me. Os Estados Unidos da América é um país enorme e eu calhei no estado de Maine. Este é um estado muito bonito em termos naturais mas também conservador, ou seja, eles levam o conceito de Personal Bubble muito a peito. Se estiveres à espera do autocarro e estiver alguém sentado num banco de 3 pessoas à espera do transporte, esquece, já não te podes sentar porque tens de estar a 2 metros dessa pessoa. Tocar em alguém?! What? Enlouqueceste? Dar aquelas palmadinhas nas costas a um colega de trabalho é para esquecer. Dar dois beijos para cumprimentar alguém? Oh nãããooo! 

8 SITIOS PARA VISITAR EM BOGOTA


Bogotá, capital da Colômbia, não é aquele género de cidade que te apaixonas instantaneamente: no geral não é bonita, existe muita poluição, o trânsito é tão caótico que podes demorar duas horas numa viagem de autocarro que normalmente demorarias menos de meia hora. 
Comecei logo com os pontos negativos de Bogotá mas na verdade há lugares maravilhosos para visitar e ainda por cima tem montanhas altas à sua volta, o que confere aquela sensação de protecção e de estar perto da Natureza.

Sugeria 5 dias na cidade para sentir a sua cultura, as suas gentes e os seus lugares, acreditem que não irão aborrecer-se! Basta sair do hostel/hotel para entrar num género de parque de diversões com concertos de rua, festas no parque, celebração de festas religiosas com direito a desfiles, entre outros. É uma cidade cheia de vida e cultura! 

#CHANRESPONDE | JUNHO


O que acham de um espaço onde podem tirar todas as vossas dúvidas sobre viagens? Aquelas questões que ficam na vossa cabeça e que fazem com que não dêem o tal passo para viajar? Foi neste sentido que criei a rubrica #chanresponde, para que todos/as tenham acesso a questões que me fazem de forma privada por email ou até mesmo nos comentários e que não são lidas por (quase) ninguém. Por vezes são dúvidas pertinentes que interessam a muitas pessoas e ficam perdidas ou guardadas para uma só pessoa.
Por isso aproveitem esta onda de bom humor e façam as questões mais descabidas que estão bem lá fundo da vossa mente :) Podem deixar comentário nesta publicação ou enviem para viveraviajarblog@gmail.com

OPINIÃO DO LIVRO: PÉ DESCALÇO - DA SUÉCIA A PORTUGAL SEM UM TOSTÃO!


Tal como mencionei na última newsletter, ultimamente o meu passatempo preferido inclui um parque e amigos ou um parque e um livro. Tenho aproveitado estes dias intensos de Sol para estar com a natureza, ouvir os pássaros, observar a vida da cidade e meter as leituras em dia. Sinto que preciso mesmo deste tempo só para mim, quem vive em Lisboa sabe que há sempre muito evento interessante para participar, mas às tantas o teu corpo pede em alto e bom som "Pára!" e não tenho outro remédio se não ouvi-lo.
 Assim, tenho aproveitado para meter as leituras em dia, afinal de contas disse ao Goodreads que iria ler 30 livros este ano, que loucura! Mas quero levar este desafio até ao fim, pois estou a conseguir ler os livros que estão na prateleira à espera de serem lidos à séculos e por outro lado faz-me um bem enorme estar quietinha, concentrada no meu livro, com o telemóvel offline. 

OFF SIGHT | REGIMENTO DE ARTILHARIA DE COSTA 7ª BATARIA


Este fim de semana peguei no Bruno e fomos viajar lá fora, cá dentro. Por vezes estamos tão penetrados na cidade que esquecemos como é importante andar descalço pelo mato e praia, passeios por florestas, respirar ar puro, enfim fazer qualquer actividade ligada à natureza. 
Ainda não tinha conhecido Sesimbra e como temos um casal amigo a viver por lá pareceu-me um destino ideal. Não me enganei, foi mesmo um fim de semana vigorante! 

A Patrícia sabe que tenho esta paixão por lugares abandonados então disse-me logo que passaríamos por alguns sítios interessantes para umas belas fotos e eu pensei logo em quê? Pois claro, no nosso querido Projecto Fotográfico "Off Sight". Aproveito para vos comunicar que este será o último mês com tema de "Lugares Abandonados" para o mês que vem vai doer, o tema é bem desafiante, como nós gostamos hehe 

Continuando... ao passearmos pela Serra da Arrábida qual não foi o meu espanto quando paramos num género de base militar abandonada. Depois de cinco minutos por lá, muita boca aberta, estava decidido o sítio para este Off Sight.

CIDADES DO ECUADOR: CUENCA



Cuenca poderia, facilmente, fazer parte da minha lista de Cidades para Viver durante um Ano. É uma cidade tranquila com prédios baixos, a vida aqui passa devagar. Enquanto caminhava pelas ruas e ruelas de Cuenca senti um bom feeling. Não tinhamos um plano estruturado ou um destino certo, estava apenas a contemplar a vida na cidade. Levámos isto tão a sério que nem visitámos as atracções turísticas perto da cidade como Incapirca (as maiores ruínas inca do Ecuador) nem o Chorro de Giron (caminhada muito bonita na natureza). Oh, quer dizer que tenho de voltar? :D

10 CIDADES PARA VIVER DURANTE UM ANO



Não sei se já repararam mas eu não sou bem uma pessoa da cidade. Preferia viver no campo e de vez em quando visitar a cidade para participar de eventos culturais. Claro que quando viajo visito algumas cidades de renome ou que pareçam-me interessantes para explorar mas não me estou a ver a viver numa cidade para sempre. A poluição constante, a vida agitada, os prédios por todo o lado, não é de todo o que considere qualidade de vida. 
Por outro lado há aquelas cidades que me fascinam pela sua beleza e sinto uma boa vibração assim que as piso. Conhecem este sentimento? Sorris enquanto passeias nas ruas e sentes de certa forma que pertences ali. 
Assim, resolvi fazer uma lista de 10 cidades do Mundo que já visitei e que era capaz de viver durante um ano... ou dois.

QUERES VIAJAR? ENTÃO BORA!

(Foto tirada por mim no Encontro Nacional de Gappers)

Muita calma nesta hora. Não comecem já a saltitar de alegria, nem a mandar foguetes para o ar. Não, infelizmente não tenho uma fantástica viagem para vos oferecer, de graça, grátis, nada disso. Um dia quando for uma blogger famosa com milhares de seguidores pode ser que isso aconteça mas por agora tenho outra proposta para vocês :)

Sabem que este ano comemoro 10 anos a viajar e queria chegar aos 50 países, faltando 4 países para chegar à meta. Tenho andado a matutar uma forma de incluir os leitores do blog e os meus amigos, de alguma forma, nas minhas viagens. É tão mais fácil pegar no Bruno ou numa amiga e lá vamos nós. Mas desta vez quero que seja diferente. Já perceberam que adoro um bom desafio certo? Tenho uma paixão avassaladora de partilhar momentos com outras pessoas, de ouvir histórias de vida diferentes da minha, trocar ideias e opiniões, sinto-me tão mais rica interiormente. 

A maioria das pessoas não viaja porque diz não ter dinheiro ou tempo, mas já percebi que alguns de vocês não viaja porque não tem companhia. Vamos então colmatar essa necessidade? Isso mesmo, estou a convidar-vos para a minha próxima grande viagem!! Há meses que ando a reflectir sobre esta ideia, a avaliar os pros e os contras e decidi arriscar. Parece um bocado loucura convidar "estranhos" a participar de uma viagem comigo, mas visto que fiz boleia durante 3 meses na Europa e já fiz Couch Surfing dezenas de vezes, como poderei não incluir os meus queridos e adorados leitores depois de estar em carros e casas de estranhos?
Estou tão entusiasmada! Nem sei ao certo se alguém conseguirá conciliar as minhas datas com o trabalho, ou se terão dinheiro suficiente para ir mas não custa convidar e tentar certo?

EVENTOS | ENCONTRO NACIONAL DE GAPPERS 2017 (E UM CONCURSO ESPECIAL)

 Sabiam que todos os anos há um evento chamado "Encontro Nacional de Gappers", promovido pela AGYP - Associação Gap Year Portugal? Pois, eu também não sabia até aparecer o evento no facebook, perceber que era um fim-de-semana inteiro a falar de viagens e prontamente inscrever-me. Vou, desde já, pedir desculpas pela pouca qualidade das fotografias, mas não levei câmara fotográfica, utilizando apenas e somente o meu querido Huawei. 

A AGYP é "uma organização portuguesa, sem fins lucrativos, responsável pela promoção do Gap Year em Portugal e, em simultâneo, pelo apoio a todos os jovens viajantes." 

Para quem não está a par do conceito de Gap Year (ou ano sabático em português) é um ano diferente em que sais da tua rotina e viajas para outro país (ou não) para estudar, fazer voluntariado, trabalhar ou só viajar. Não tem que ser obrigatoriamente um ano, pode ser só dois meses ou meio ano, tudo depende das preferências e disponibilidade de cada um. E sim, é para todas as idades, desde o jovem até à Terceira Idade. Nunca é tarde para viajar e quanto mais cedo o fizerem melhor :)

VIAJAR EM EXCURSÃO: SIM OU NÃO?

Devem achar um pouco estranho que ainda não tenha falado na minha última viagem pelas Alemanhas, já que estava tãããão entusiasmada. 
A verdade é que cheguei na Terça passada e sinto que ainda não recuperei inteiramente destes quatro dias, para terem uma noção do grau elevadíssimo de exaustão. 

Existem diferentes formas de viajar e ainda bem porque assim todas as pessoas e suas personalidades estão integradas numa ou mais formas de viajar e não há desculpas para não o fazerem. 
Temos o caso dos grandes empresários que tudo o que precisam é dum resort dentro da praia de Cancun e ficam assim 4 dias, dentro do hotel a torrar ao Sol, a dar uns valentes mergulhos naquela água cor de cristal quentinha, com comida e bebida à descrição. Depois temos os aventureiros, que podem ou não ter um orçamento curto, eles querem é partir à descoberta do Mundo sem grandes planos delineados, visitam um ou outro edifício turístico mas eles querem mesmo é andar à deriva, explorar muito a pé ou de bicicleta, fazer amizades com as pessoas locais e frequentar os mesmos sítios que os locais frequentam. Temos os backpackers ou em bom brasileiro mochileiros que são parecidos aos aventureiros mas normalmente têm um orçamento curto pois têm mais tempo para viajar, ficam alojados em hostels, fazem couch surfing ou fazem campismo selvagem. Há também os backpackers que viajam sem orçamento, que fingem que não têm dinheiro mas depois passam a viagem inteira a frequentar bares e discotecas a gastar balúrdios em álcool e drogas e que apenas comem em restaurantes turísticos com um menu ocidental. Há aquelas pessoas que têm apenas uma semana e planeiam tudo muito bem, de forma independente (sem agências por trás) para que consigam visitar o máximo possível de lugares. Depois há aquelas pessoas que não têm pachorra nenhuma para planear viagens mas que, no entanto, gostam de dar escapadelas e acabam por escolher fazer uma excursão. E é mesmo desta última que vamos falar: a excursão. 

DIÁRIO A BORDO | O ALÍVIO DE CHEGAR À "CIVILIZAÇÃO"

Este é o último post da rubrica do Diário a Bordo, espero que tenham gostado. O vosso feedback tem sido tão positivo que estou a ponderar continuar futuramente :) Leiam todos os Diários a Bordo AQUI.
_____________________________

Koh Phangan (Tailândia), 12 de Dezembro de 2011

Tenho um amor platónico pela Índia mas  mas quando cheguei a Bangkok dei por mim a fazer um sorriso de orelha a orelha e a dar uma valente gargalhada. Não, não bebi álcool nem consumi outros estupefacientes, simplesmente estava a viver o sonho mas na realidade estava a precisar duma pausa e não me tinha apercebido até chegar aqui.

Quando vejo uma casa de banho limpa, com uma sanita e rolo de papel higiénico o primeiro pensamento foi: estás de volta a civilização. Já estava tão dentro da cultura indiana que já não saberia viver de outra forma, mas a verdade é que é um país muito sujo, com pessoas a cuspir o tempo inteiro e por vezes cospem paan, uma mistela vermelha que faz bem aos dentes mas tãããão nojenta... E ver poças de paan no chão??? yakkkk. Vá lá que não é costume em todo o lado. É o interessante da Índia: os seus 28 estados são tão diferentes (em termos culturais) uns dos outros que parece que estamos em mini países indianos.

DIÁRIO A BORDO | COINCIDÊNCIAS? ADEUS INDIA


Bangkok - Tailândia, 2 de Dezembro de 2011

Tanta coisa a acontecer todos os dias, porque a diferença cultural é abismal, então é uma história para contar aos mais pequenos (e aos maiores também) todos os dias. 
Algo que um israelita disse quando estávamos a jogar aos aspectos positivos e negativos da Índia e que concordei desde logo foram as coincidências que por aqui se passam. Uma tarde em Haridwar estava sentada relaxada a observar famílias indianas a tomarem banho no rio ganges (rio sagrado) e à minha frente passa um pai mais ou menos com a minha idade e a sua filhota de mãos dadas, fiquei a admirar tal beleza. Pouco depois a miúda veio ter comigo e ficamos ali a brincar uns 10 minutos. 
No dia seguinte, já na estação dos comboios, apercebo-me qual é o meu comboio quando ele começa a partir!!! Começo a correr que nem uma perdida, perco a primeira porta e a segunda também, à terceira disse para mim mesma é agora ou nunca! Atirei a mochila mais pesada, seguida da mochila mais leve e faltava eu mas não estava a conseguir projectar-me para a frente... de repente uma mão a ajudar-me, quando entrei no comboio e agradeci, olhei nos olhos e era nada mais nada menos que o pai da tal miúda!!!!! Epá tantas carruagens e biliões de pessoas logo calhar onde o pai da miúda estava...

OFF SIGHT | PALÁCIO DA FONTE DA PIPA

 Todos os dias, quando saía de Loulé em direcção à universidade de Faro de autocarro dava de caras com um palácio lá ao fundo, imaginava a arquitectura vinda de outro mundo e as histórias hilariantes que já teriam passado por entre aquelas paredes. 

Há duas semanas, quando finalmente pisei o terreno onde se encontra o palácio (obrigada off sight) deu-me um enorme aperto no coração, porque o palácio tinha sofrido um incêndio no dia 24 de Fevereiro deste ano. Morei 26 anos em Loulé e podia ter visitado este espaço encantador vezes sem conta. A verdade é que desde pequena oiço histórias de horror sobre este edifício como a filha de um proprietário que terá falecido na quinta e há quem a tenha visto à janela da torre ou que terão sido sepultadas na propriedade vítimas da gripe espanhola da pneumónica de 1916-1918, e hoje ainda deambulam as suas almas penadas por todo o lado. 

Histórias à parte, hoje em dia o palácio está nas mãos do Fundo Imobiliário e em stand by, porque o Plano Director Municipal (PDM) não tem permitido urbanizar o espaço como pretendem os proprietários. E eu pergunto-me: mais um património que ficará em ruínas, e consequentemente, parte da nossa identidade jogada fora?

PRÓXIMA PARAGEM: HAMBURGO NA ALEMANHA


É já amanhã que parto para Hamburgo! Vocês devem estar a pensar: Então e só agora é que nos contas? Até podia ser uma dessas viagens de última hora em que encontramos voos low cost com valores surreais mas muito pelo contrário, marquei esta viagem para Hamburgo em Dezembro, algo completamente inédito sendo que no máximo marquei voo com um mês de antecedência. 
Quem subscreveu a newsletter do blog já está a par, porque nas newsletters acabo por escarrapachar um pouco mais sobre a minha vida privada, afinal de contas é um email que vos mando e que desaparece, os posts permanecem no blog para todo o sempre *drama* 

DIÁRIO A BORDO | 11 CURIOSIDADES SOBRE OS INDIANOS


Mysore - Índia, 2 de Novembro de 2011

1 - Comes com a mão direita, com ou sem colher, mas nunca com a esquerda. (já sou uma perita a comer arroz com a mão!!) Garfo e faca só em casamentos mas como os indianos não têm prática comem com as mãos às escondidas.

2 - Não existem nomes de ruas mas referências para chegar aos locais. (Exemplo: Hospital Adythia, viras na segunda à esquerda, à tua direita tens o restaurante Om Shanti, viras na primeira à esquerda e o prédio é o castanho no 2º andar)

3 - Quando os indianos querem dizer que sim abanam a cabeça como se fosse não. Mas também o fazem por outras razões que ainda estou a averiguar.

4 - Tanto as crianças como os idosos gostam de dizer olá aos turistas ocidentais. Também gostam de nos tocar subtilmente ou dar um passou-bem.

5 - Geralmente os indianos gostam de ajudar os ocidentais. Mal te vem com ar de perdido vão logo ter contigo.

6 - Os indianos são muito criativos com os seus negócios. Vendem um pouco de tudo desde os objectos convencionais: lenços, malas, saris, bijuteria até aos mais bizarros: gasolina em garrafas de água (Goa) e serviços como limpador de ouvidos (Rishikesh)

7 - Indiano que é indiano faz sesta várias vezes durante o dia. 

8 - Necessidade abismal de Trabalho Social em áreas como: Alfabetização, Desenvolvimento Local, Higiene, Educação para a Saúde, Educação de Adultos, Exclusão Social, Trabalho Infantil. Seriam necessários no minimo 3 milhões de educadores sociais para uma forte mudança mas... como realizar um projecto social sem interferir radicalmente na cultura indiana? Dá que pensar.

9 - Os turistas indianos pedem-me constantemente para tirar fotografias com eles.

10 - O metro de New Delhi é o melhor que já vi até hoje!!! Não encontrei um único aspecto negativo. Para além da segurança máxima em termos de policia, somos sempre revistados e as nossas malas passam por raio-x. A entrada de mendigos é proibida, ou seja, não te estão a pedir constantemente dinheiro. As condições dentro do metro são óptimas: ar condicionado, tudo novinho e limpinho, tomadas de electricidade para carregar telemóvel, portátil, camara. Mas o melhor de tudo: A primeira carruagem é apenas para mulheres!!! Nunca está muito cheio, não existe o perigo de mãos desviadas no meu rabo e não tenho a sensação de observação masculina o tempo inteiro. Ok, se calhar o aspecto negativo é a discriminação da carruagem só para mulheres e a entrada proibida a mendigos.

11- Um rolo de papel higiénico é um luxo, custa 45 rupias e um prato de comida pode custar 20 rupias.

DEZ DIAS EM SILÊNCIO NO TUSHITA RETREAT CENTER

Aposto que muitos de vocês ao lerem o título deste post pensaram automaticamente no filme e/ou livro "Comer Orar Amar" em que Liz resolve passar uma temporada num templo e durante uns dias esteve em silêncio. Adivinhei? :D

Já que estamos na onda do Diário a Bordo na Índia resolvi partilhar convosco dez dias inesquecíveis passados na zona de Dharamsala onde se encontra exilado o emblemático Dalai Lama. Foram dias que fortaleceram e nutriram a mente e o coração, que reflecti bastante sobre a minha posição neste mundo, que me questionaram vezes sem conta e que me arrancaram sorrisos, muitos sorrisos... tudo isto sem dizer uma única palavra, sem comunicar verbalmente.
Quem me conhece sabe que sou muito faladora, saio ao Toine Zé, meu querido pai, e sinceramente, estava na incógnita se iria conseguir ficar em silêncio tantos dias, se dois dias sem falar já seriam um martírio. Surpresa das surpresas fui até ao fim, sem pronunciar uma única palavra. 

DIÁRIO A BORDO | CONTACTO DIRECTO COM MONGES ADOLESCENTES

+

Mysore (India), 2 de Novembro de 2011

Mysore admito que até agora foi a escolha mais estúpida que fiz, não sabia bem que fazer a seguir a Hampi e acabei por olhar para o mapa e dizer para mim mesma que ia para Mysore. Basicamente é uma cidade muito turistica, mais virada para turistas indianos, em que tens este e aquele templo, mais o palácio e pouco mais. O que gosto mais quando visito um local é a cidade/vila em si e não o que ela tem lá dentro, se são museus incríveis, igrejas magnificas e monumentos espectaculares. Mais interessante que tudo é o que o local transmite e não a quantidade de "coisas giras".

Decidi então fazer algo de interessante já que a minha escolha para Mysore foi um fiasco ao menos fazer o melhor que podia. Assim, marquei uma massagem ayurduvedica que revelou-se uma óptima decisão pois foi uma hora e meia com duas indianas de Kerala a massajar cada sitiozinho do meu corpo, estava mesmo a precisar destas energias! E no dia antes de abalar, decidi passar o dia num mosteiro budista tibetano, a 80 kms. Toda a gente sabe a minha fixação pelo budismo, mas agora percebi que afinal não é só pelo budismo, tenho uma paixão só agora descoberta por religiões, não pela adoração a um Deus ou Deuses mas sim a mensagem que tenta passar ao ser humano. Assim, descobri que pertenço a um bocadinho de cada religião porque todas fazem parte do meu quotidiano e da minha forma de ver o Mundo.


Nessa manhã chegaram 2 alemãs (18 e 19 anos!!!) à casa do Santosh (meu anfitrião do couchsurfing, a viver com a esposa e pais na mesma casa e na qual fiz parte durante 4 dias) Decidiram logo vir comigo, gostei logo da atitude delas e no final do dia gostei bastante delas. Chegamos finalmente ao local depois de duas horas num autocarro a cair de velho que parecia não ter amortecedores. Sim, aqui 80 kms fazem-se em duas horas e com sorte!! As estradas não têm nada que ver com a nossa Via do Infante... a N125 é brutal mesmo!!!

Mal chegamos ao mosteiro senti logo uma paz a invadir-me o corpo e a alma. As energias (boas ou más) sempre me atingiram à velocidade da luz e aquele local era propicio para meditação ou quem sabe ficar por lá perdida uma boa remessa de dias. O mosteiro era composto por diferentes divisões onde os tibetanos estudam e ensinam o budismo. Pode demorar cerca de 9 anos até que estejam preparados para ser professores de budismo e é isso que fazem para o resto da vida. Para mim é o equivalente a um padre, pois não formam família apenas vivem para a religião. Mas quando chegamos ao chamado Templo de Ouro foi tiro e queda, fiquei rendida e imediatamente sentei-me no chão e fechei os olhos. Sem dizer uma única palavra, as duas alemãs fizeram exactamente o mesmo. Ficamos ali uns 10 minutos a sentir cada vibração do local. À nossa frente tínhamos 3 budas feitos de ouro com cerca de 30 metros cada, algo abismal mesmo. E à nossa volta tínhamos várias pinturas coloridas referentes ao budismo.


A certa altura o local ficou muito "povoado" por famílias indianas turistas que não respeitaram o local e faziam bastante barulho então decidimos sair dali porque as alemãs queriam fumar um cigarro. Saímos do mosteiro e olhamos a nossa volta, não fazíamos ideia para onde nos dirigirmos até que encontramos um local lá ao fundo cheio de bandeirinhas coloridas como no mosteiro e decidimos que seria um bom local.
Num espaço de 10 minutos chegou um monge vestido com a sua vestimenta de budista ("saia" e "lenço" cor de vinho com a t-shirt laranja) e com um IPAD na mão e perguntando se poderia nos tirar uma foto. Muito admiradas que um monge tinha acesso a um IPAD dissemos logo que sim.
Quando demos por nós estávamos a 15 metros do local a descascar massarocas de milho com mais 3 nepaleses e 2 taiwanenses (!!!!) Foi tão terapêutico e por outro lado estávamos a fazer algo de produtivo nesta viagem: a ajudar no negócio do senhor do Nepal =) Eram muito simpáticos e num espaço de meia hora acabamos aquilo tudo.

Depois disso tivemos a assistir um jogo de cricket dos monges!!!! Opá demais, parecia tão surreal, às tantas estava um sem a t-shirt, outro já estava de boxers, é o calor! Senti-me em casa.
Já que estava um monge ao nosso lado aproveitei para tirar mil duvidas em relação à vida de um monge. Este rapaz de 18 anos estava ali porque quando era criança os pais decidiram por ele que iria ser um monge pois era bom para ele. Bom para ele??? E a decisão dele? Na verdade podes dizer que não mas podes criar problemas com a tua família. É por estas e por outras que dou imenso valor aos pais que tenho e à educação extraordinária que me souberam transmitir, se não a esta hora não estava aqui, na Índia, sozinha :D Falamos sobre a importância de constituir família e sobre o conceito de amor que é completamente diferente e o que me "preocupou" mais é que ele justificava tudo com livros e ensinamentos. Eu não verbalizei estas palavras mas pensei para mim "A vida não se aprende nos livros" citando o escritor Daniel Sampaio. Foi uma conversa muito positiva, fiquei feliz que ele não tenha ficado pasmado quando lhe disse que quando tinha 18 anos, a idade dele, não queria saber de estudar mas de andar em festas e beber álcool, experimentar coisas novas. Ele respeitou tudo e pela primeira vez na Índia, estávamos rodeadas por 50 homens e nenhum olhou para nós com aquele olhar "el matador".
Cereja topo do bolo: Jantamos na cantina do mosteiro comidinha tibetana, uma pausa da comida indiana que me soube pela vida!

10 ANOS A VIAJAR, 50 PAÍSES



É inacreditável! Finais de Julho de 2007 estava a rumar para a primeira viagem da minha vida, mas daquelas à séria de três semanas, com a mochila às costas e um orçamento curto. Tinha terminado a licenciatura, assim como  o meu primo Sam, portanto tínhamos a desculpa perfeita para os nossos pais "Ah vamos no InterRail como uma viagem de finalistas", colou como um selo num envelope :P Claro que não podia deixar a Ana de lado, a minha amiga inseparável que estava deserta para fazer uma viagem destas há tanto tempo, era agora ou nunca

DIÁRIO A BORDO | HAMPI E O SEU MISTO DE VERDEJANTES COM RUÍNAS



Mysore, India, 24 de Outubro de 2011

As expectativas quanto a Hampi eram poucas ou nenhumas, nunca li sobre o local mas segui a minha intuição e resolvi partir para o local.

Quando estava a chegar uma israelita meteu conversa comigo ainda no autocarro e pronto fiquei com ela mais o casal amigo dela, também de Israel, os próximos 3 dias em Hampi. Ainda bem porque o rapaz era super orientado e consegui fazer bastante, só para não falar que me acolheram super bem no seu grupo :) na verdade Hampi estava cheisssimo de israelitas, a malta quando acordava e ouvia a sua língua deveriam pensar: "mas em que país estou agora?" Sinceramente deve ser um pouco desconfortável mas não deixa de ser positivo especialmente para mim que estou a viajar sozinha e do nada conheci a Marta, portuguesa, no money exchange hehe Por isso ainda falei em português 2 dias com ela antes de partir para Calcutá para um curso intensivo de yoga.

MARROCOS: A MINHA PRIMEIRA VEZ EM ÁFRICA

Por esta altura, há 3 anos atrás, eu e o Bruno encontravamo-nos a mochilar e a andar à boleia em Marrocos, uma viagem que durou um total de 5 semanas. Marrocos fica mesmo ali como assim ainda não tínhamos visitado? Dissemos "basta!" e decidimos que seria a primeira viagem de 2014.

A parte interessante de Marrocos é que podes chegar de barco, então não tínhamos uma data especifica para abalar. Decidimos dois dias antes e foi um pouco bizarro: fizemos a nossa mochila, os nossos amigos levaram-nos até Faro onde ficámos até às 6 horas da manhã a beber sangria, dançar e conversar. De seguida apanhamos o autocarro para Sevilha, depois uma boleia através do blablacar para o porto de Algeciras e quando demos por nós era já o por do Sol e estávamos em Marrocos, tudo no mesmo dia! Era a minha primeira vez a pisar o continente africano.

DIÁRIO A BORDO | PRIMEIRA VEZ NA INDIA

Bom dia malta! Decidi abrir algumas páginas do meu Diário a Bordo na altura que viajei sozinha pela Ásia durante 7 meses. Estamos a falar de 2011/2012. Podem contar com um post na Segunda-Feira de manhã durante seis semanas. Vamos a isso?
_________________________________________________________________________________


Goa, 18 de Outubro de 2011

Depois de dois dias em viagens, 3 voos diferentes, muito calor, muito frio, uma grande confusão no aeroporto de Mumbai: num momento, na parte da security baggage tinha o meu Ipod, o meu passaporte e a mochila com tudo o resto em 3 sítios diferentes!!! E indianos à minha volta a falar comigo hindi com inglês misturado haha agora que me lembro dá-me vontade de rir mas sinceramente foram os 5 minutos mais angustiantes da minha vida. E se me roubassem o Ipod? Mas o passaporte é mais importante... será que vou chegar a Goa? Será que isto é normal? E o que é normal? Pfff já passou.

OFF SIGHT | CASA COR-DE-ROSA ABANDONADA


Gostámos tanto da manhã que passamos a explorar casas abandonadas em Sintra que tivemos que repetir a dose. Quando olhei para o mega mapa da Guida nem queria acreditar, há realmente MUITOS lugares abandonados em Sintra e esperava-nos uma manhã cheia de emoções. Só que não. A única casa que podemos entrar foi a do post que vos trago hoje. As outras casas, infelizmente, ou foram engolidas pela natureza ou era proibido trespassar e, sinceramente, não me apetece mesmo nadica de nada ser presa. Ainda assim tivemos que pular a cerca para entrar nesta casa e adivinhem? Naquela manhã estava uma multidão a passar e várias foram as pessoas que nos viram de câmara em punho a saltar para o outro lado. Cheguei a ler nos olhos de um turista "Elas podem estar ali? Também quero!" :D 

SORTEIO | LIVRO DAQUI ALI - DE PORTUGAL A ÁFRICA DO SUL DE BICICLETA

Estamos na recta final do primeiro trimestre do ano - para onde foi mesmo? - e por isso achei que era a altura indicada para mais um sorteio no blog. Ok, tretas, coincidiu com o final do mês, pronto :)

Devem estar a pensar "Mas a Marta só nos oferece livros" e realmente ultimamente tem sido livro atrás de livro. Quando me oferecem um livro no aniversário, no Natal ou porque sim fico super feliz, não há que enganar, dás-me um livro e tens a prenda perfeita para mim. Assim sendo gosto de oferecer o que gosto que me ofereçam. Além disso ler é também uma forma de viajar, tem sido um bom escape agora que ando a viajar menos fora de Portugal.

Sobre o livro em questão, é a sequela do Daqui Ali - de Portugal a Singapura por terra escrito por uma pessoa que admiro muito e tenho o prazer de conhecer ao vivo e a cores, o meu guru das viagens alternativas, o ilustre Pedro on the Road. Se vocês dizem que tenho coragem, então é porque desconhecem as histórias deste menino. Desta vez lembrou-se de pegar numa bicicleta e pedalar de Portugal à África do Sul. Estou-a-falar-a-sério. Ainda bem que voltou para contar a história e ela está prontinha num livro intitulado de Daqui Ali - De Portugal à Africa do Sul em Bicicleta e um de vocês poderá ganhar uma cópia!

PHOTO AN HOUR | FESTIVAL ZEN

Adoro reportar o meu dia através de fotografias para um dia voltar a rever o que fiz naquele dia. O Photo an Hour surge como um exercício fascinante porque "força-me" a fotografar e assim consigo atingir o tal objectivo de reunir fotos de um dia. 

Este fim de semana estava a acontecer o Festival Zen aqui pertinho de casa, então combinei com alguns amigos irmos pelo menos no Sábado. Se há coisa que participo sem pensar duas vezes é neste género de eventos mais para o lado espiritual, onde pagas um valor simbólico e tens acesso a um mundo de workshops. São oportunidades únicas para descobrires actividades que nunca ouviste falar antes! 

Vamos ver como foi o meu Sábado em Fotografias? 

10h | Acordei um pouco antes das 10h e reparei que já tinha perdido o primeiro workshop que queria ir "Detox Juicing". A primeira coisa que faço quando acordo é abrir a janela do quarto, dizer bom dia ao bairro, verificar como está o tempo e deixar a janela aberta para arejar a casa.

AQUELE ANO QUE VIVI NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA


O meu álbum de fotografias (aka bolsa com cds cheios de fotos gravadas) do ano que vivi nos Estados Unidos da América estava perdido. Esvaziei a minha casa em Loulé quando me mandei 4 meses para a América Central com o Bruno e deixei algumas caixas na cave/despensa dos avós. É verdade que ando num eterno processo de simplicidade e minimalismo mas há coisas que não consegues jogar fora: memórias. 
Compilei todas as fotos de um ano nos EUA em quatro cds. Na altura da Universidade quantos documentos e trabalhos finalizados perdidos nas pens usbs da vida ou até as malditas disquetes que teimavam fazer aquele barulho estridente e não havia jeito de abrirem. Passei a usar cds para gravar fotografias por acha-los mais seguros e difíceis de perder. Só que não. Todas as vezes que ia à despensa buscar algo procurava, procurava e não encontrava esses cds em lado nenhum, até que há uns tempos finalmente dei de caras com eles. Woohoo!

Estes cds não contêm apenas a minha vida nos Estados Unidos da América, estão incluídas as minhas viagens a Toronto, Jamaica, Rio de Janeiro e a road trip que fizemos na minha van à Costa Este inteira, desde Maine até Florida.
A minha memória é pequena então acabo por me refugiar na imagens digitais... conseguem imaginar a minha alegria quando finalmente pus as mãos nestes cds? Assim sendo posso escrever-vos sobre este ano atribulado mas deveras especial, ilustrado por algumas fotografias que me são queridas. Ready?

VISITA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO EM LISBOA



Antes de mais gostaria de agradecer a vossa disponibilidade e apoio no último post quando vos falei sobre o bullying. Nem imaginam o que significou cada mensagem, cada email, cada palavra de alento. Vocês são lind@s e maravilhos@s :)

Ainda não vos contei mas na semana passada ingressei no curso de Design Gráfico... pois é, quem diria? Desde que cheguei a Lisboa, há ano e meio, ainda não parei de estudar. Julgo que seja a minha forma de continuar a aprender e adquirir novos conhecimentos, já que não viajo tantos meses como há dois anos atrás. 
Este curso é deveras especial pois não vamos nos cingir a aprender apenas programas como photoshop ou illustrator, é muito mais que isso. Para terem uma noção neste momento estão a ensinar-nos como abrir uma empresa, registar uma marca e toda a sua legalização, temos também um módulo de artes manuais onde estamos a fazer encadernação e esta semana iniciamos os carimbos. Para além disso, estamos a aprender o rebranding e para isso o formador, propôs fazermos o rebranding de uma instituição real: o Museu Nacional do Azulejo. Claro que fiquei nas nuvens, é assim mesmo que gosto de trabalhar: aliar a teoria à prática e se for para dar uso ao nosso trabalho ainda melhor. Já imaginaram este Museu com o logo que eu e os meus colegas criamos? Um sonho :) O que realmente importa aqui é aprender todo o processo e dar o meu melhor. 

Como já entrei com mais de um mês de atraso no curso não fui fazer a visita de estudo com os meus colegas a este museu. Quando o formador explicou os próximos passos senti que era necessário dirigir-me ao Museu Nacional do Azulejo por mim mesma para perceber como é a arquitectura, as peças expostas, a história, etc. Só assim conseguirei ter uma ideia mais clara de como construir os elementos para este rebranding. 

QUANDO O BULLYING MATA

Hoje trago-vos um assunto muito delicado. Embora este blog seja maioritariamente sobre viagens e temas relativos como gastronomia ou alojamento, gosto de partilhar convosco leituras, eventos que participei que merecem destaque e até conversar sobre assuntos sérios que se passam no seio da sociedade. É por isso que tenho ali aquela etiqueta "Partilhar", porque partilhar é o que faço cada vez que clico do botão "publicar" mas esta etiqueta serve mais como um "aleatório". 

Na semana passada apetecia-me passar a tarde em casa a ver filmes, ao tempo que não fazia esta actividade que tanto gosto! Mas não sabia bem o que assistir (não tenho televisão nem netflix) então resolvi socorrer-me deste vídeo da Dora do Books & Movies, pois tem umas sugestões que vão de encontro aos meus gostos cinematográficos. Da lista, o título "A Girl Like Her" saltou-me à vista e fui de imediato ver o trailer. Percebi que era um filme pesado sobre o Bullying, então vi primeiro o Zootopia para relaxar e depois assisti o "A Girl Like Her". 

DICAS PARA ANDAR À BOLEIA EM MARROCOS

Quando planeamos a nossa viagem de mochila a Marrocos nem sequer propomos a ideia de andar à boleia, afinal de contas a comunicação social e a sociedade no geral sempre nos disseram o quanto é perigoso viajar em Marrocos, quanto mais entrar num carro de um estranho...

Tudo bem que os transportes em Marrocos são económicos e, de uma forma geral, tirando os lugares turísticos, Marrocos é um país barato para viajar. Mas se pudermos transportar-nos de graça para viajar mais tempo, se podemos conhecer mais marroquinos e partilharmos as nossas culturas, porque não andar à boleia?

GREAT OCEAN ROAD EM MELBOURNE

Durante a minha viagem de mochila às costas sozinha pela Ásia, resolvi fazer uma passagem pela Austrália e finalmente conhecer a cidade e casas que os meus primos moram. Não tinha intenções de ficar muito tempo mas a verdade é que estava a precisar duma pausa das viagens constantes, pois é, deslocar dum sítio para o outro de 4 em 4 dias, por vezes menos tempo ainda, cansa meus amigos.

Em Melbourne vi-me na moradia dos meus primos com muitas árvores à volta, sossego e finalmente tinha um frigorífico à minha disposição, um quarto só para mim e uma televisão enorme. Isto era um verdadeiro luxo naquele momento e gostei tanto do conforto e da cidade que fiquei cinco semanas por lá. Podia ter visitado Sydney ou a Tasmânia, mas não, fiquei-me por ali mesmo :)

JÁ SUBSCREVERAM À NEWSLETTER DO VIVER A VIAJAR?


Há mais de quinze anos que vivo entre blogs e só na semana passada é que debrucei-me na Newsletter do blog. Só há pouco tempo percebi as verdadeiras potencialidades desta ferramenta poderosa. A principal razão que me fez abrir os olhos é que todos os nossos seguidores do facebook, twitter, pinterest ou instagram não estão a salvo como pensamos, um dia estas redes sociais terminam e ficamos desamparados. Com a nossa newsletter temos os emails dos seguidores salvaguardados, estando assim completamente independentes. Ainda não têm newsletter? Então não percam mais tempo, aliás, na minha opinião deveria ser uma das primeiras coisas a fazer quando se começa o blog, seja um passatempo ou não. 

E como sou uma simpatia de menina e queria oferecer um miminho a quem subscreve, decidi oferecer um Ebook escrito por mim com "20 Formas de Ganhar Dinheiro para Viajar". É uma lista de ideias variadas de funções e serviços que poderão exercer para ganhar dinheiro extra. 
Espero que com este ebook vocês passem a pensar em alternativas para conseguir arranjar mais dinheiro e que finalmente embarquem naquela viagem tão esperada à tanto tempo. 


A newsletter sairá quinzenalmente aos Domingos com dicas extras de como viajar barato, partilha de livros e filmes inspiradores, noticias sobre viagens, vídeos e sobre as minhas próximas viagens. Será assim, um complemento ao blog!

Caso tenham dúvidas ou gostariam de partilhar o vosso feedback, enviem email para viveraviajarblog@gmail.com, responderei o mais brevemente possível. 


OFF SIGHT | CASA ABANDONADA EM SINTRA


Último dia do mês é dia de... muito bem, acertaram! Dia de Off Sight. Este foi o mês que percebemos que seria mais enriquecedor trazer a este Projecto Fotográfico que nos é tão querido nada mais nada menos que convidadas. Houve um feedback bastante positivo no primeiro post que prtilhamos do Off Sight. Nunca sonhei que existissem tantas pessoas interessadas em fotografar locais abandonados. Pelo andar da carruagem mantemos este tema por uns largos meses. 

Eram 9h da matina quando me encontrei com a Guida, Raquel e Lucie na Estação de Comboios em Entrecampos para rumarmos a Sintra. A Guida disse-nos que haviam imensas casas abandonadas por lá e eu que ainda não tinha reparado. Pois é, o Off Sight mal começou e já sinto algumas mudanças, nomeadamente o meu alerta quando avisto uma casa abandonada. Parece que quando passo por uma, o meu cérebro faz um género de pi pi pi e actualmente vejo casas abandonadas em tudo o que é canto :P 

TAG | 8 COISAS


Não acham que já está mais que na hora de fazer uma tag? Vocês sabem o quanto adoro responder a tags, o reflectir sobre cada questão, para depois partilhar convosco. Sinto-me ainda mais perto de vocês pois partilho respostas pessoais que acabam por mostrar um pouco mais quem sou. 
Desta vez fui nomeada pela Ju do Cor Sem Fim, obrigada por te lembrares de mim ^_^ Espero que interajam nos comentários e que os/as nomeados/as façam mesmo esta tag tão gira!

- PARA FAZER ANTES DE MORRER -
Mandar-me de um avião
Fazer um curso de Mergulho
Escrever um livro
Visitar todos os países do planeta Terra
Passar uns anos em África em projectos de cooperação e desenvolvimento como voluntária
Dar netinhos aos meus pais :P 
Passar um Verão inteiro nos Festivais da Europa
Iniciar um Canal de Youtube

PASSO-A-PASSO DE COMO CHEGAR AO MACHU PICCHU



Há que juntar o útil ao agradável, concordam? Então, já que iríamos ao grandioso Machu Picchu porque não parar por uns tempos? 
Durante duas semanas estivemos num hostel em Cuzco a fazer voluntariado e nem imaginam como soube maravilhosamente bem parar um bom bocado num mesmo sítio. Desde Novembro que estávamos a viajar, a mudar de sítio todos os 2, 3 ou 4 dias, chegámos a Fevereiro e dissemos chega, vamos parar um bocado. Viajar também é isso, parar num mesmo lugar para poder saborear os costumes, explorar ao máximo o lugar e os seus arredores e nós estávamos ali no centro do Vale Sagrado. Oh tão bem que souberam estes quinze dias! Só não digo que soube a pato porque não como carne. 

REVIEW + SORTEIO | EBOOK COMO SER FREELANCER [FECHADO]


"Ser feliz com o trabalho ainda é possível.
E tu vais ser mais uma prova disso."

Quando a Krystel do Nomadismo Digital Portugal contactou-me para divulgar o lançamento do seu mais recente Ebook com o título Como Ser Freelancer, nem podia acreditar. Era exactamente o que precisava de ler no momento, pois andava a ler várias publicações sobre o assunto para perceber o meu lugar neste Mundo enquanto Nómada Digital. Só que há tanta informação na internet que formou-se uma mescla confusa na minha cabeça. O Como ser Freelancer surgiu como luz ao fundo do túnel :)

Este Ebook, que conta com 89 páginas, é um manual completo com as ferramentas fundamentais para ter sucesso na carreira de freelancer, a partir do zero. Ao lê-lo descobri várias respostas a dúvidas que tinha como blogger, ou seja, este ebook é para ti se quiseres tornar-te num(a) blogger profissional.

SURPRESA NO DIA DE SÃO VALENTIM


Acho incrível como acabo sempre por publicar aqui sobre dias que não me dizem grande coisa. Primeiro foi o Natal - aquela festividade que não dou importância - e agora o Dia de São Valentim. Para terem uma ideia nesse dia o Bruno foi ver o jogo do Benfica com os amigos e eu fiquei em casa a comer pizza enquanto via o Mr. Church :P 

Porém, o Dia de São Valentim deste ano foi especial, mesmo que não tenha ido jantar fora com o amor ou trocado prendas com ele. Nesse dia o carteiro tocou à campainha pela manhã e entregou-me um envelope. Rapidamente apercebi-me que seriam as coisinhas maravilhosas que ganhara no Sorteio de São Valentim e quando abro o envelope não caibo em mim de felicidade! 

ACMA | 5 FORMAS DE LIDAR COM A SAUDADE (EM VIAGEM)


A primeira vez que viajei mais tempo foi no InterRail de 21 dias há quase dez anos. Como fui com a minha melhor amiga e o primo, não senti saudades das minhas pessoas, tive mais saudades da nossa comida portuguesa, a melhor do Mundo :D Era a primeira viagem à séria da minha vida, ficando apenas 3 dias em cada cidade. Nesta azafama toda não restava muito tempo para sequer pensar nos amigos e familiares que ficaram em Portugal. 

Em 2008, quando parti para os EUA para morar um ano inteiro a história foi outra. Nos primeiros meses estava encantada com tudo aquilo, pela primeira vez saíra da casa dos meus pais e estava agora a morar do outro lado do oceano, a trabalhar na minha área com miúdos desafiantes e estava a aprender inglês como gente grande. Só que no oitavo mês tudo descarrilou. A saudade bateu tão forte que sentia flechas a perfurarem-me o coração. Deitava-me a pensar no Algarve, sonhava com o Algarve e acordava com o Algarve. Já nem estava a aproveitar a minha estadia em terras do Tio Sam. Até que, subitamente, acordei para a vida e pensei que teria de ganhar forças e aproveitar cada momento pois estava a ter a oportunidade da minha vida e em breve estaria junto dos meus. 

BACALHÔA BUDDHA EDEN


Aos anos que queria visitar o Bacalhôa Buddha Eden! Tudo bem que enquanto estava a viajar fora do país era mais complicado mas agora a morar em Lisboa há quase ano e meio e com a avó Teresa (avó emprestada) a morar em Torres Vedras, não há desculpas. 
Mesmo assim, só no dia do meu aniversário, 30 de Janeiro, é que finalmente fui a este jardim maravilhoso! 


Fazer anos no Inverno é uma seca e sempre que posso tento celebrar num país quentinho, como o fiz o ano passado numa ilha paradisíaca, este ano decidi ficar-me por Portugal. E para que serve o dia do nosso aniversário? Isso mesmo, fazermos o que nos bem apetecer e aproveitarmo-nos das outras pessoas para nos tirarem centenas de fotos, afinal de contas somos a aniversariante e somos especiais :) 

COUCHSURFING: A COMUNIDADE DE VIAJANTES

Couchsurfing em Rabat Marrocos

Ouvi falar do Couchsurfing há mais de dez anos, quando a minha amiga Ana ligou-me toda feliz da vida para me contar que tinha encontrado um site para viajantes maravilhoso e que já se tinha inscrito. Na altura adorei o conceito, era a minha cara, mas não quis me inscrever logo porque ainda estava a viver com os meus pais então não podia alojar pessoas e estava a estudar na Universidade, sem tempo e dinheiro para viajar. Na verdade o Couchsurfing é mais que isto. 

CHOQUE CULTURAL NO PERÚ E BOLIVIA



Oh Bolívia. Estivemos na Bolívia cerca de três semanas e se, no inicio apetecia-me pegar na minha mochila e voltar para Portugal no primeiro voo, depois de ter saído do país, queria era ficar mais tempo para explorar cada cantinho deste país incrível.

Antes de iniciar a viagem de 5 meses pela América do Sul, estava super entusiasmada com o Peru e a Bolívia. Não há razão aparente para esta preferência, será influência dos inúmeros documentários do National Geographic com paisagens tão bonitas e o povo indígena? 

OFF SIGHT | CASA ABANDONADA EM RANHOLAS


Achavam que demos por concluído o nosso Projecto Fotográfico? Pois bem, minha gente, enganaram-se. Voltámos! E cheias de força e energia. O 6 on 6 terminou, mas gostámos tanto da experiência e da ligação tão saudável do grupo de fotógrafas-em-formação, que tivemos de dar continuidade a um novo Projecto Fotográfico que decidimos chamar de Off Sight. 

Desta vez existe apenas uma regra: um tema por mês, que pode mudar ao longo do ano, quando quisermos. Vamos deixar a nossa criatividade voar ao sabor do vento, vamos dar largas à imaginação, sem limites. 

Este mês trazemos um tema que nos é muito querido: Lugares Abandonados! 

10 INSTAGRAMS DE VIAGENS QUE TE VÃO FAZER ABALAR AGORA

Se há coisa que falta na blogosfera portuguesa é a partilha de redes sociais na qual seguimos e vibramos, com os nossos leitores. Parece que a malta tem medo que as pessoas ao seguir contas do instagram ou gostar de páginas de facebook vão deixar de gostar delas ou até de segui-las. Respirem que isso não acontece. 

Para contrariar este facto aqui estou eu a partilhar 10 Instagrams de Viagens maravilhosos que o Mundo precisa de saber que eles existem. Alguns têm poucas centenas de seguidores e outros têm muitos milhares, mas isso ao fim ao cabo não interessa. a qualidade das fotos e aquela vontade imensa de deslocar até àquele local encantado é uma constante nestes instagrams e é assim que sei que eles são realmente bons. 

O DESERTO DO SAHARA EM MARROCOS


Estar no Deserto do Sahara foi, sem sombra de dúvidas, um dos melhores momentos da minha vida. O silêncio absoluto, a falta de seres vivos, ficar longe de aparelhos electrónicos e da vida sempre a voar lá fora, foi dos sentimentos mais gratificantes e felizes que já senti até hoje.

REVIEW | NICOLAU LISBOA


Desde que fui com a Lígia ao Nicolau Lisboa só naquela de beber algo quentinho enquanto púnhamos a conversa em dia, que prometi a mim mesma que voltaria para experimentar os pratos vegetarianos. 
É que se nunca ouviram falar neste Café/Restaurante preparem-se porque as fotos que se seguem vão fazer-vos brilhar os olhos e criar aquele sentimento de "QUERO". Se moram em Lisboa e ainda não experimentaram, estão à espera de quê? :D 

DICAS PARA ORGANIZAR UMA VIAGEM COM ORÇAMENTO CURTO | A PLANEAR A MINHA VIAGEM A MARROCOS

Aquela viagem a Marrocos estava a ser adiada há demasiado tempo, estamos a falar de um país vizinho que fica, literalmente, aqui em baixo e que podemos ir de barco, sem grandes chatices ou reservas de voos. 

A minha paixão por viajar não é apenas quando já estou lá, a deslumbrar-me com as paisagens, a cultura diferente, a gastronomia. É todo o processo, desde o planeamento, o estar lá e as reflexões finais. 

Uma vez que estou na fase do planeamento para uma viagem de orçamento curto para Marrocos, decidi partilhar convosco a forma de como me organizo para ter uma viagem tranquila, sem gastar rios de dinheiro e evitando problemas pelo meio.

DAY TRIP | ÓBIDOS


No Domingo passado tinha a minha mãe cá em casa e não sabia ao certo o que podíamos fazer juntas. Ela já cá estava há uma semana então tinha percorrido Lisboa de lés a lés. Até que me ocorreu irmos à Vila de Óbidos, nunca lá fomos e estava um dia solarengo e bonito demais para ficar em casa. Siga! 

Fomos pela A8 até Torres Vedras e aí fomos buscar a avó e tio do Bruno. Decidimos fazer a viagem de Torres para Óbidos por uma estrada nacional que nos levou a vistas encantadas, vilas tradicionais e muitas fábricas de cerâmica, algumas delas abandonadas. Certamente que, se não tivesse com a mãe, avó, tio, eu e o Bruno teriamos parado mil vezes o carro e eu teria tirado imensas fotografias, voltaremos! 

Óbidos é uma vila tipicamente portuguesa, situada no distrito de Leiria. Esta vila é sede de Conselho, sendo constituida por sete freguesias: A-dos Negros, Amoreira, Gaeiras, Olho Marinho, Santa Maria, Usseira e Vau.

É especialmente conhecida pela sua maravilhosa bebida ginginha, as ruas históricas e os vários eventos que acolhe como: Feira Medieval, Festival Internacional do Chocolate, Semana Santa, Óbidos Vila Natal, etc. 

BALANÇO DO PROJECTO FOTOGRÁFICO 6 ON 6

Faz hoje precisamente um ano que eu mais cinco bloggers anunciámos ao Mundo a realização de um Projecto Fotográfico em conjunto, que poderia durar uns meses, mas acabou por durar doze meses.

Este é sem dúvida um desses projectos que ficarão no coração, pois acompanhou-se durante o ano de 2016, até mesmo nas minhas viagens! Que bonito, olhar para o ano anterior através de fotografias. Mas o que o fez mesmo especial foram as pessoas por trás dele, aquelas que aceitaram o desafio e que juntas, caminhámos durante um ano para o grande objectivo de fotografar mais e melhor.